Avançar para o conteúdo principal

Julgamento de Vereador da CDU Clemente Alves baixa a inquérito

Por CASCAIS24

Como "Cascais24" previu em noticia publicada na última madrugada, baixou a inquérito o julgamento do vereador da CDU Clemente Alves, em processo sumário, agendado para esta quarta-feira, de manhã, no tribunal de Cascais, em que era acusado de resistência e coação às autoridades, na sequência do protesto popular que, esta terça-feira, culminou em incidentes entre moradores e policias na Quinta da Carreira, em São João do Estoril.

Agora, na sequência do inquérito, caberá ao Ministério Público (MP) acusar ou arquivar.

Clemente Alves, que também é candidato pela CDU à presidência da Câmara de Cascais nas autárquicas de outubro, terá sido agredido, lançado ao solo, manietado, algemado e detido pelos agentes sob as ordens de um subcomissário da PSP.

O vereador em exercício, embora sem pelouro, na Câmara Municipal de Cascais, encontrava-se com moradores numa ação de protesto contra trabalhos municipais em curso.

O protesto, que juntou cerca de duas dezenas de pessoas, incidiu no bloqueio a máquinas e veículos pesados com materiais destinados à obra destinada a um parque de estacionamento com capacidade para 226 lugares, alegadamente gratuitos e a uma extensa área verde.


Reações à detenção do autarca

A detenção do conhecido vereador provocou uma onda de grande solidariedade entre milhares de munícipes e a reação de algumas forças politicas no concelho de Cascais.

O próprio Secretariado da Comissão Concelhia de Cascais do PCP considerou "inaceitável a forma intempestiva como alguns agentes da PSP actuaram sobre os moradores e, em particular, da forma agressiva e totalmente despropositada com que intervieram sobre o Vereador do PCP, Clemente Alves".

Em comunicado, o PCP refere que "mais de duas dezenas de moradores da Quinta da Carreira, em S. João do Estoril, protestavam contra as obras de construção de um parque de estacionamento  em terreno classificado como REN. A obra iniciou-se há dias, sem edital, sem aprovação em reunião da Câmara Municipal de Cascais e sem qualquer aviso aos moradores".
Clemente Alves (de costas) é abordado pelo subcomissário da PSP

"No protesto, adianta a nota do PCP, "num acto de solidariedade para com os moradores, estava o Vereador do PCP, Clemente Alves, falando com os moradores sobre a acção dos eleitos do PCP  na Câmara e Assembleia Municipal e questionando a realização desta obra ilegal".

Ainda segundo o comunicado, "os responsáveis da empresa municipal Cascais Próxima que está a realizar a obra, indo contra o legítimo protesto dos moradores, chamaram a polícia que teve uma intervenção intempestiva e desadequada  por parte de alguns agentes que culminou com a detenção do vereador do PCP, Clemente Alves, sem o informarem do motivo pelo qual estava a ser detido.  Foram ainda identificados outros moradores que estavam no protesto".

"O protesto foi convocado pelos moradores da Quinta da Carreira, que se mobilizaram contra a construção do parque de estacionamento e exigir explicações por parte da câmara municipal, o que nunca foi feito por parte do executivo", sublinha a nota do PCP.

Já a  Coordenadora Concelhia de Cascais do Bloco de Esquerda (BE) diz em comunicado que, "sendo necessário apurar os factos ocorridos devidamente, no entanto parece excessiva a atuação das autoridades ao deter e algemar um autarca em visita aos terrenos da Quinta da Carreira onde decorre uma obra muito contestada e ao considerar uma "manifestação ilegal" o protesto dos e das moradoras  contra uma obra, ela sim, muito questionável e que levanta  dúvidas sobre a sua total legalidade".


O Bloco de Esquerda, que afirma na mesma nota "tem tomado uma posição desfavorável relativamente a esta obra nos terrenos da  Quinta da Carreira devido aos aspetos pouco esclarecidos que o envolvem e pelas suas implicações ambientais", afirma-se "solidário com o protesto dos e das moradoras e munícipes e pede um esclarecimento à Direção Nacional da PSP e ao Ministério da Administração Interna sobre os factos ocorridos". 

Também a Plataforma Cascais, movimento cívico, reagiu aos incidentes de terça-feira na Quinta da Carreira e à detenção do vereador da CDU Clemente Alves.

Já no solo, o autarca foi manietado e algemado pelos agentes da PSP
De acordo com esta Plataforma, "os factos ilustram uma situação preocupante sobre o exercício da cidadania do concelho" e destaca que "a resposta do Poder Local face aos descontentamentos expressos pelas populações pode ser a da intimidação e da repressão menos ainda quando exercida contra eleitos a quem incumbe o dever de ser porta-voz dos eleitores".

"Neste quadro, a Plataforma Cascais entendeu manifestar solidariedade para com o vereador detido pela polícia com violência ilustrada pelas fotografias e responsabilizar o presidente da Câmara por esta situação que resulta diretamente do autoritarismo e sectarismo com que a coligação PSD/CDS exerce o poder absolutista em Cascais", salienta o movimento cívico. 

O VÍDEO DA DETENÇÃO DO VEREADOR DA CDU

Comentários

  1. Anónimo5/03/2017

    http://cidadaniacsc.blogspot.pt/2017/04/invasao-de-de-terreno-privado-pela.html

    ResponderEliminar

Publicar um comentário